LANÇAMENTOS

A_invisível_presenca_do_ser_cover.jpg

A INVISÍVEL PRESENÇA DO SER: DIÁLOGOS ENTRE CÉZANNE E MERLEAU-PONTY

Tiago Jesus de Sousa

ISBN 978-65-86270-29-7


Sinopse: Paul Cézanne, um dos maiores pintores modernos, chamado por Pablo Picasso de «O Grande Mestre», é tomado nesse livro como a referência fundamental de ruptura com a arte, a ciência e a filosofia clássicas. O livro descreve como Maurice Merleau-Ponty vê na obra do pintor uma possibilidade de superação de uma filosofia que não leva em consideração o contato primordial com o mundo e o transforma em pensamento. Cézanne habita o mundo e faz parte dele, por isso não precisa pensá-lo para pintar, mas apenas vivê-lo. A construção da expressão na tela é realizada por Cézanne por meio de uma promiscuidade entre o visível e o invisível que possibilita, por um ato criador, a experiência do Ser enquanto presença.

SUJEITO DE SORTE: BELCHIOR COMO O DIABO GOSTA

Abah Andrade


Sinopse: O que acontece quando um filósofo escuta em profundidade a música e adentra a letra de canções populares tão queridas por gerações de adoradores de MPB? E o que acontece quando essas canções são de ninguém menos que Belchior? O encontro entre arte e pensamento é um acontecimento notável no cenário intelectual contemporâneo, quando se descobre que nem filosofia tem algo a ver com autoajuda pincelada com duvidoso saber filosófico nem a canção de Belchior tem a ver com divertimento barato. Aqui Belchior é levado a sério, tanto quanto a prática viva de uma filosofia nascente é levada a termo com a intenção de levantar véus e fazer pensar para além das aparências. Não é só o capitalismo contemporâneo que é visado em suas entranhas, mas também certas ideias recebidas que são destroçadas em sua suposição de serem "críticas", para que uma crítica ainda mais radical seja sugerida, baldeando o lugar-comum e fazendo pensar para além das opiniões assentadas. Aqui tudo é novo, sem que a novidade constitua em desapreço pelo conhecimento erudito da tradição intelectual do Ocidente. 

Capa600.jpg

DO GESPENST-HOFFMANN AO BRUXO DO COSME VELHO

Marcos Túlio Fernandes

Sinopse: Neste livro, Marcos Túlio Fernandes demonstra como o fantástico de Machado de Assis se fez adequado às condições editoriais que muitas vezes o reprimiam, sendo não apenas um bem cultural, mas também um desejo dos leitores e, portanto, objeto de consumo, elaborado em conformidade com as dinâmicas oitocentistas. Publicados em sua grande maioria em Jornais e Revistas femininos, o fantástico machadiano, "à la Hoffmann" ou pós a voga do conto hoffmanniano, é exemplo de que nenhum escritor está à frente de seu tempo, pois que suas práticas discursivas decorrem de sua relação com tempo de produção e com espaço de circulação da obra. O autor desse livro contribui significativamente com uma investigação que desmantela o sentido de que a obra deve ser lida apenas de forma imanente, pois já não é mais possível compreender o conto fantástico de Machado de Assis, produzido e publicado no século XIX, sem a compreensão dos aportes de transferências culturais transatlânticas, o papel das traduções para o desembarque dos bens culturais, a importância dos leitores e a influência que exerciam no contexto das publicações, e também o poder editorial dos suportes ((jornais, revistas, periódicos...) com suas diretrizes e formatos específicos.

Cover.jpg

NAS ASAS DO SERTÃO

Josina Nunes Drummond

Sinopse: Nas asas do sertão, não tem pretensões extemporâneas de Regionalismo. Trata-se de um relato de histórias avoengas, baseadas em "causos" contados por familiares idosos, oriundos do "Brasil profundo". A temática é, portanto, circunstancial. Caso tivesse sido criada em uma metrópole, provavelmente meus escritos tenderiam para a ambientação urbana. Apesar do avanço das ciências e da tecnologia, o ser humano continua o mesmo a remoer medos, fracassos, ciúmes, desamores...a regozijar-se de conquistas, de venturas fugazes e de grandes paixões. Nesta obra, em particular, sertão se traduz em espaço, personagens e estilo pessoal. O cenário revisitado por Jô é povoado por sertanejos que se relacionam harmoniosamente com os demais elementos das narrativas breves. O efeito dessa sintonia é a imediata integração do leitor com o universo recriado pela magia da Literatura. Ressalte-se, contudo, que os personagens representam o ponto alto das fábulas. É sobre eles que a autora escreve.

KU FRONT CAPA.jpg

KU + 33 OUTROS TRENS

J. B. Souza Freitas

Sinopse: A versatilidade de José Benedito de Souza Freitas, rara em nossa literatura, produz poemetos sabor tutti-frutti, com suas aliterações, assonâncias e rimas. Os contos relâmpagos e os "causus" vividos e sofridos, alguns deles, assemelham-se a aventuras oníricas por não parecer coisa do mundo real. No final, quando o antirromance deságua no oceano e se choca com as ondas da maré-alta, o cronista já não é mais o "poeta" cordial e iluminado. Abandona o José e o Benedito. Assume de vez a identidade JB de Souza Freitas e esquece as epifanias tropicais. Torna-se um sujeito enfezado e intranquilo que utiliza o nonsense, a ironia e o protesto como armas. A irreverência aprofunda-se com a idade. Ele parece berrar como um alemão da Pomerânia: "É tudo die alte scheisse! " (a mesma merda). A leitura chega ao fim e sentimos que o livro não acabou. Fica a sensação de que sobram infâmias a fustigar.

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Tumblr Social Icon
  • Instagram

© 2020 EDITORA CAJUÍNA

contato@editoracajuina.com.br 
Cotia - São Paulo, SP